terça-feira, 22 de agosto de 2017

Recife #1.

cidade ora casulo
ora gaiola
coincide
com o meu corpo
que às vezes liberta
mas eu nunca posso sair
de verdade



quinta-feira, 27 de julho de 2017

Carolen.

te deixar aqui sozinha
é a minha maior agonia

o barulho da porta da frente
já não te acorda mais
quando chego no meio da noite

tenho medo, mãe
de não poder mais voltar
de nadar pra longe demais
e as águas te levarem
de mim

9.

não sei se preciso
passar de casa em casa
pra catar o que deixei

sem querer
já fui embora
assim mesmo
faltando pedaço

eu sempre digo que não tenho
tempo
pra voltar
mas sempre acabo voltando
pro mesmo lugar

sexta-feira, 21 de julho de 2017

viciei na solidão
nesse compasso triste
de decidir tudo por si
sem nunca dividir o que se carrega
sobre os músculos das costas

ouço só a minha própria voz
ou o pesado silêncio
de ser o único a permanecer
na minha própria vida

domingo, 16 de julho de 2017

Ex-endereço.

você já gostava de ir ao centro da cidade
quando eu ainda nem via beleza nenhuma
em nada além de mim mesmo

acumulei
nos cantos da sua casa
acho que fiquei por lá

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Acarajé.

o naco de unha comida
preso
enganchado
entre os dois segundos dentes
na fração de tempo que a língua passa
insistentemente
depois de dois segundos
ainda sente
a gengiva que sangra áspera
o gosto da saliva quente
tingida um pouco de vermelho
lembra demais a sensação do seu beijo
que ficou na boca na mente
mas só tira sangue
da primeira

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Protocolo de correspondência.

pra mim os meus
sonhos todos somem
eu durmo
e
de
repente
já acordei
tão de repente
tenho que voltar a ver
voltar a ser
alguma coisa pra você
que eu nem conheço
e já obedeço
sem nem querer

eu visto as suas roupas
imito o seu modo de falar
faço as mesmas coisas
na mesma ordem
todos os dias
sem
parar

menos na folga
vinte e quatro
longas
horas
pra fazer
o que quiser

pra fazer
o que você quiser
comigo